terça-feira, 14 de abril de 2009

Eu Era Dessa Areia I



Pouso estas mãos descalças
areia de músculos
som precário
e os dedos param
divagam
depois seguem precisos
como se fossem telecomandados.


Como fazer sorrir este papel
com o teu sorriso?
Abrir nesta palavra
a tua boca?
Colocar nesta brancura
os teus cabelos?


As tuas pernas longas
raciocinam.
Erguidas sobre a cama
meditantes
ensombram de silêncio
um sexo adulto.


Armando Silva Carvalho
"Eu Era Dessa Areia"
1977, edições o oiro do dia
(esgotado)
imagem: auto-retrato de Robert Mapplethorpe (1976)

1 comentário:

sleeping beauty disse...

Este poema é muito bom,
Gostei de reler o Armando Silva Carvalho.