quinta-feira, 23 de abril de 2009

a procura da fecalidade



Onde cheirar a merda
cheira a ser.
O homem podia muito bem deixar de cagar,
deixar de abrir a bolsa anal,
mas preferiu cagar
como poderia ter preferido viver
em vez de consentir em viver morto.

É que para não fazer cócó
teria que aceder
a não ser,
mas ele é que não foi capaz de se resolver a perder o ser,
isto é a morrer vivo.

Existe no ser
algo particularmente tentador para o homem
algo que vem a ser justamente
............................ O CÓCÓ
............................ (aqui rugido)

Para existir basta que se conscenda em ser,
mas para viver
é preciso ser alguém,
para ser alguém
é preciso ter OSSOS,
não ter medo de mostrar os ossos,
e de caminho perder a carne.

O homem sempre gostou mais da carne
do que da terra dos ossos.
É porque só o que havia era terra e madeira de ossos
e ele viu-se obrigado a ganhar a sua carne,
só o que havia era ferro e fogo
e merda não,
e o homem teve medo de ficar sem merda
ou antes desejou a merda
e para isso sacrificou o sangue.


Antonin Artaud
"Para Acabar de Vez Com o Juízo de Deus"
tradução de Luiza Neto Jorge
imagem: Canibalismo de Outono, Salvador Dalí

6 comentários:

sleeping beauty disse...

Fantástico. O Artaud é o máximo.
A imagem também está muito apropriada.Tudo se desagrega nas fezes. Cores de cócó de crianças.

joao b disse...

entre cócó e crianças... venha o diabo e escolha

Pedro Só disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Patrícia .. disse...

brutal ! :D
x)

Felipe Procópio de Moura disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Supermassive Black-Hole disse...

a música é o clássico "something in the way" dos nirvana