sábado, 12 de setembro de 2009

aposto que o sócrates nunca leu

3 comentários:

sleeping beauty disse...

sabias que o Oscar Lopes é irmão da Mécia de Sena? Nem ele nem a irmã estiveram presentes na cerimónia. Para quê? É sempre a mesma treta. As pessoas são maltratadas enquanto vivas e exaltadas depois de mortas. Mortos dá prestígio aos governos.

cogitata mentis eloqui disse...

Concordo com Sleeping Beauty. De facto, à classe política pouco interessam factos e nomes referenciais da nossa cultura, a menos, sublinhe-se, que deles se possam servir como capital simbólico, uma espécie de penacho social que fica sempre bem.
Quanto à aposta de Camel& Coca Cola, está ganha ab initio. E, se assim entenderes, até a podes estender à maioria dos políticos. De outra forma não seriam políticos...digo eu, na minha ingenuidade, embora esclarecido por uma educação esmerada.

Supermassive Black-Hole disse...

pois eu discordo. Quando muito, se lessem Jorge de Sena, seriam BONS políticos. Nesse campo, há muito a aprender com ele, porque foi daqueles que sentiu na pele os efeitos da ditadura, e que na sua poesia nos demonstra como deveríamos honrar a democracia. O problema não é outro, que não a desonra que os sucessivos governos, mas em particular este, incutiram na democracia, na política, e no país em geral.
Quanto ao resto, estamos obviamente de acordo. O ministério da cultura pouquíssimo fez nestes últimos quatro anos, e serviu-se agora do Jorge de Sena para mostrar algum serviço. Simbólica é, por isso, a jogada do governo, e não o regresso de Jorge de Sena a Lisboa